sacola

Sacola não pode ser um saco!

O estudo sobre sacolas reutilizáveis foi apresentado no Dia Mundial da Usabilidade 2009 – que discutiu como criar produtos e sistemas que sejam ao mesmo tempo fáceis de usar, agradáveis e sustentáveis.

Nossa equipe de especialistas decidiu analisar alguns modelos de sacolas reutilizáveis à venda nas principais redes de supermercados de São Paulo para verificar o quanto essas sacolas atendem às necessidades e desejos do consumidor.

Acreditamos que quanto mais fáceis de usar, práticas, seguras e confortáveis de usar forem as sacolas maior será o estímulo para que o brasileiro abandone o hábito de usar saquinhos plásticos, tão prejudiciais ao meio ambiente.

Para este estudo, observamos consumidores empacotando suas compras em diversos estabelecimentos e fizemos testes em nosso laboratório de 5 modelos diferentes de sacolas reutilizáveis. Convidamos 10 consumidores para virem ao laboratório e guardarem uma mesma compra composta de 16 produtos em 5 sacolas diferentes.

Os testes de usabilidade mostraram as dificuldades e as facilidades apontadas pelos consumidores para cada uma das 5 sacolas que eles usaram. Nas visitas que fizemos a 4 supermercados observamos que muitos consumidores não viram as sacolas à venda nos estabelecimentos porque elas não estão bem posicionadas nem bem anunciadas.

 

Resumo para download

Preparamos um resumo dos principais resultados do estudo com os problemas detectados nos testes de usabilidade e as recomendações dos especialistas para solucioná-los.

Faça o download do resumo do estudo “Sacola não pode ser um saco!”

Prencha o formulário para baixar o estudo


Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Empresa

Telefone

 

 

Para saber mais sobre o estudo completo, entre em contato conosco.

Cobertura da mídia

O estudo foi assunto de uma reportagem no jornal O Globo de 11/11/2009, publicada no caderno de Economia com o título “Consumidores reprovam bolsas reutilizáveis”.

O Instituto Akatu, uma das organizações não-governamentais de maior credibilidade do país, publicou em seu web site um artigo com os resultados do estudo e as principais recomendações para os supermercados e para os consumidores.